Toca, Raul!


Confesso para vocês que escrever esse post foi dificil para mim. Teimosia e implicância. Desde moleque eu fui daqueles caras que procuravam na música algo mais que o prazer de só ouvir. Gostava (gosto) de conhecer músicas e histórias diferentes, de descobrir coisas, bandas, artistas obscuros, garimpar para me divertir. Quando você é mais novo, isso se torna até uma maneira de afirmação, de destaque, de tentar fugir do óbvio, de se destacar na multidão de incógnitos. É ilusão, mas diverte.

Tudo isso para falar que hoje, apesar de uma vida de resistência, confesso que admiro um músico, que nem de longe, precisa de qualquer concessão da minha admiração para ser o que é pra tantas pessoas: Raul Seixas. Eu pouco ouço Raul, mas durante a vida, direta ou indiretamente, ouvi todos os discos do baiano. Não há como ignorá-lo. A resistência vinha de alguns amigos fanáticos, que colocavam Raul num pedestal inatingível. Ele é muito mais que isso.

Em algum momento explodiu na cabeça do jovem Raul Seixas o impacto do rock and roll, e ele transformou isso na sua vida, como músico, como produtor, como artista. O fato é que ele  jamais esqueceu que morava no Brasil, e nunca deixou de ser um músico e artista extremamente urbano, antenado e brasileiro. Em sua música junto ao rock and roll,  tem ecos do brega, do forró, baião e da música, de fato, popular. Raul Seixas nunca fez força ou marketing para penetrar no imaginário do povo. Ele realmente tava lá , rs. Essa falta de limites, fez com ele adiantasse várias misturas, que de forma equivocada, foram anunciadas e incensadas como pioneiras nas mãos de outros artistas, muito depois do maluco tê-las feito.

O misticismo, a comicidade, o lado até gaiato por vezes, a rebeldia (de fato), colocam Raul Seixas em um lugar muito específico da historia do rock brasileiro. O fanatismo de seus seguidores, chega a irritar, muitos levam ao extremo algumas coisas que o raulzito dizia apenas para confundir, para zombar da caretice. Mas é diferente com vários outros ídolos da música?

Eu trabalho em biblioteca pública. Nas idas e vindas de projetos de leitura e contato com o público, tenho oportunidade de conhecer muita gente de perfis completamente diferentes. Dificilmente alguém ignora por completo a obra do baiano. Sempre há uma citação de uma canção que seja, e de gente muito diferente entre si. Você entra em boteco e lá está um fulano curtindo uma fossa com A Maçã, se um guri ouve Plunct, Plact Zum, já se identifica de pronto, os místicos com Gita … e por aí vai.

Gostemos ou não, Raul aponta o seu dedo para o “bem” e para o “mal”!

Ser músico popular não é fácil, estar no imaginário de muita gente é muito difícil. Raul Seixas é o músico POPULAR, sem maneirismos no termo.

Que bacana poder falar isso, aos quarenta e dois anos, e me redimir de tanta bobagem que disse por aí a respeito desse artista realmente popular. Como Raul, o bom mesmo é poder mudar de idéia, passar a vida e se portar de maneira mais livre e aberta. Ele viveu e morreu de excessos, e deixou uma obra respeitável. Ele sabia muito bem onde queria chegar, tristeza ou alegria, o fizeram chegar.

Valeu, Raul dos Santos Seixas, eu também sempre fui muito reclamão.

Toca, Raul!

Anúncios
27 comentários
  1. Moi disse:

    Meu sogro foi no lendário show em Caieiras, onde um Raul sem barba e bêbado feito gambá acabou indo preso porque o povo achava que não era ele. Viva a sociedade alternativa!

    • Ricardo Queiroz Pinheiro disse:

      Moi,

      essa foi uma das muitas traquinagens desse bom malaco.

  2. PH disse:

    Adorei, Ricardo! “Desde moleque eu fui daqueles caras que procuravam na música, algo mais que o prazer de só ouvir.” Isso faz toda a diferença, muda nossa percepção de vida, nos melhores e piores momentos heheh. Até pensei que houvesse alguma data especial envolvendo Raul, mas pelo visto não, saiu de dentro mesmo. Abraço!

    • Ricardo Queiroz Pinheiro disse:

      São as “repensadas que nós temos que dar na vida. Valem a pena.

      Valeu!!!

  3. Ô meu LemonBrother !!!!
    Exelente post !!!
    Raul Seixas foi Verdadeiro.
    Abalou as estruturas do Sistema.
    Firmezza ttottal !!!
    1 Lemon-Abração aê, guerreiro !!!

    • Ricardo Queiroz Pinheiro disse:

      Sim, por ser verdadeiro ainda ta bem vivo!!!

  4. Ivam vidal disse:

    Valeu Ricardo!!!
    O Carimbador maluco, continua atual, mesmo há 20 anos sem ele, aquele episódio
    de Caieiras é impagável.
    Bom feriado!
    Ivam Vidal.

    • Ricardo Queiroz Pinheiro disse:

      Ivam,

      vê se aparece mais aqui no blog, valeu pelo comentário!!

  5. Milani disse:

    Ricardo,

    muito legal isso, sincero e real.
    Um post do tamanho do Raul!

    Grande abraço.

    • Ricardo Queiroz Pinheiro disse:

      Poxa quanto tempo Bilani, o trovador das Alterosas.

      • Milani disse:

        Poxa, tem tempo mesmo, em?!
        Estou sempre por aqui.

        Você que não volta as alterosas…rs!

        Grande abraço.

  6. Thomas disse:

    Ricardo adorei teu texto.É bem por aí q me sinto em relação à Raul Seixas.
    Ele e sua música,apesar de popular,enfrentaram o “Establishment” da época,que foi muito diferente do de hoje.
    É difícil imaginar que as brilhantes letras das melhores músicas dele tenham sido escritas pelo Sr. Paulo Coelho,que é a antítese de Raulzito e que hoje gosta mesmo é de cuspir no prato que comeu, frequentar a Society e a ilha de “Caras”…quem diría.O Sr. Coelho sim,é a verdadeira Metamorfose Ambulante…

    Abçs,
    Thomas

    • Ricardo Queiroz Pinheiro disse:

      Coronel,

      vc sempre na mosca, nos somos os grandes reclamões, nao é mesmo??

      rs

  7. “Toca, Raul” é um pedido para que o próprio nunca deixa de estar presente, com suas gravações que ainda bem são muitas e sempre aparecem. Mas eu prefiro mais o “toca Raul”, anseio ou delírio dos seguidores do Raulzito em todo e qualquer show em que estavam presentes, podia ser até da Madonna, se por acaso eles tropeçassem por lá “Madonna, toca Raul!”. Depois virou um bordão maravilhoso, homenagem que se reitera vez após vez, como se aquele delírio primeiro fosse contagioso, não é apenas engraçado de uma graça que não se perde com a repetição, mas é como se a repetição da gracejo fosse um modo de dizer tudo o que você disse em seu belíssimo texto: Raul, artista do povo, gênio das misturas, experimentador e por aí vai.

    • Ricardo Queiroz Pinheiro disse:

      Poxa Sandro,

      que texto bonito. So veio dar brilho aqui no blog. Ainda bem que você ta de volta a sampa. Vamos marcar uma cerveja.

  8. Raul disse:” A arte de ser louco é não cometer a loucura de ser um sujeito normal”.Está frase explica tudo que o cara foi. Gosto muito de suas músicas por sua irônia, filosofia e diversidade, apesar de ter uma voz irritante como ele própio admitia. É considerado o mito do rock brasileiro e não temos o que contradizer desse fato. Sem falar que ele já gravou forró, brega, samba, sertanejo, regge e etc. É essa diversidade musical que nossos jovens músicos precisam.

    • Ricardo Queiroz Pinheiro disse:

      Janiel,

      isso ta garantido, o Raul Seixas ainda influencia muita coisa boa.

      abraços e valeu pelo comentario.

  9. luzete disse:

    gosto do raul, o cidadão que fez da vida uma bela provocação. coerentemente louco. e se dando ao luxo de se apropriar da música para mandar o seu recado vital. um maluco beleza. muito beleza.

    teu recado foi muito, muito bom. sempre é bom lembrar de coisas bonitas, ricardo.

    • Ricardo Queiroz Pinheiro disse:

      Luzete,

      o Raul foi tão lúcido que acabou indo embora cedo. Plunct, Plact Zum…

  10. Liu Sai Yam disse:

    Tem a história (não sei se lorota dele, mas era bem capaz) que ele estava em Nova Iorque e foi tocar a campainha do apê de John Lennon. “Hello, sou Raul Seixas e quero te convidar pra participar da sociedade alternativa”. Há há. Ele conta que John abriu a porta, bateu um papo e virou sócio.

    Como Tim Maia e Jorge Ben, Raul era desses que conseguiam empatia em todas as classes sociais, do universitário ao mano. Mistério.

    Grande lembrança, Ricardão.

    • Ricardo Queiroz Pinheiro disse:

      Liu,

      sabe camarada, o raulzito é daqueles caras cujo as histórias, nem sempre precisam ser verdadeiras. Sendo verdade ou ficção tá valendo.

      abraços

  11. Luís disse:

    Ricardon, hoje, por coincidência, estava ouvindo o Secretário de Cultura na CBN, falando sobre a Virada Cultural e o palco exclusivo para o Rauzito, em homenagem aos 20 anos de sua morte.

    Na hora me chamou à atenção a idéia. Tocar todos os álbuns, faixa por faixa, em ordem cronológica, por Panteras a Marcelo Nova, passando por Nasi.

    Um deleite para os fans e uma grande homenagem ao “Maluco”, que até por esta praça fez história: quebra-quebra na “panela do diabo”, Adrenalina. Estavas lá? 🙂

    No seu beçp texto, duas grandes verdades: você sempre foi, mesmo, um reclamão e a chatura histórica dos fanáticos por Raul!! 🙂

    Abraços.

    Luís

    • Ricardo Queiroz Pinheiro disse:

      Luiz (mais conhecido como o pai da Maria Clara),

      eu tava la na Adrenalina, foi quase uma tragédia, uma das coisas que o Raul aprontou já no ocaso da sua carreira. Quanto a sempre ter sido reclamão, não da para negar…rs

      abraços!

  12. Tadeu disse:

    Tenho um tio que pra ele Raul é algo que não se descreve em palavras, é além do humano, do bem e do mal, as vezes tenho medo de me tornar fã, ou seguidor de qualquer artista ou movimento como ele faz com o roqueiro baiano, e como na minha infância esse tio era meu vizinho cresci ouvindo Raul, mesmo ainda estando longe de decifrar as mensagens de suas letras, que a cada dia perdem e fazem sentido ao mesmo tempo.

    Top Raul
    Ouro de Tolo
    Metamorfose Ambulante
    Aluga-se
    Meu Amigo Pedro
    Mosca Na Sopa
    O Conto do Sábio Chinês
    Pastor João E A Igreja Invisivel
    Sapato 36
    Sociedade Alternativa
    Tente Outra Vez
    O Dia em que a Terra Parou
    Gita
    Eu nasci há dez mil anos atrás
    Eu Sou Eu, Nicuri É O Diabo
    Baby (porra, essa é Nabokov na cabeça)
    Canto Para A Minha Morte
    Essas são as que eu lembro de momento, mais certamente cometi várias injustiças, que repertotio dos infernos. Para sempre TOCA RAUL

  13. luzete disse:

    Ué, então louca sou eu? mas o liu disse que nós somos normais!
    e agora?

  14. luzete disse:

    o nós aí em cima é o liu e eu. vc não tá na lista dele, não!

  15. Luciana disse:

    Oi Ricardo!!!
    Sempre passo por aqui..e as vezes resolvo deixar um pedacinho. Pela primeira vez vou confessar: chorei quando fiquei sabendo que o Raul tinha morrido, eu achava que caras assim como ele eram imortais… hoje descobri…são imortais mesmo!!! Valeu a referencia! Ele fez parte de nossas vidas!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: