“Claudia e Jane”


Comparações e analogias  fáceis podem empobrecer histórias. Algumas são fatais, não podem ser ignoradas.

Jane County, nasceu Wayne Rogers no Condado de Dallas em 1947. Claudia Wonder, nasceu Marco Antonio Abrão, em São Paulo no ano de 1955.

Jane foi para Frisco militar e viver a intensa vida. Claudia cedo foi fazer teatro, cinema e tornar Sampa menos careta.

Jane escorregou pelos experimentos do teatro e foi para o rock and roll, mergulhou na cena  punk, em 1977, quando  montou o Wayne County and Eletric Chairs, foi pra Londres, após, volta a New York onde se firmou.

Rock and Roll!

Claudia mergulhou na música, performances no Madame Satã, São Paulo com a  banda suporte, Jardim das Delícias. Lembro de uma entrevista que Claudia chamava pra si as influências de Blondie e Television, contemporâneos de Jane na cena CBGB e Max Kansas City, dez anos antes.

Rock and Roll!!

Jane voltou a Dallas e ao teatro, mas nunca largou a música, tudo isso na década de 90.

Claudia vai para a Suiça no final dos anos 80, novos horizontes.

Jane é reverenciada no revival de bandas punk (anos 90), seus álbuns são relançados e shows requisitados.

Em 2000, Claudia voltou da Europa, se torna importante nome na militância e nas conquistas do movimento GLBT, escreve textos lúcidos e inteligentes na web e em revistas segmentadas, em 2008 gravou um disco de música eletrônica: Funky Disco Fashion.

Jane e Claudia marcaram presença e deixaram marcas por onde passaram.

Jane esta por aí, criativa, fazendo shows e atuando.

Claudia, infelizmente, nos deixou na manhã dessa sexta-feira, depois de dois meses internada, vítima de criptococose (doença do pombo).

É bem provável que Jane e Claudia nunca se conheceram, mas as semelhanças e a consanguinidade são irrefutáveis.

Rock’n Roll!

Anúncios
5 comentários
  1. marcelo mendez disse:

    Eu gosto demais de textos que vão além das previsibilidades tolas da escrita jornalistica viciada, das coisas tolas de laudas, releases e afins. Aqui, além de uma abalogia inteligente, uma sensibilidade ímpar, o texto faz uma homenagem digna a essa, que tanta falta nos fará.

    gostei muito!

  2. delaorden disse:

    belo post. Gostei. Keep it up !!!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: