Era um rio?


“- Passava um rio aqui e um dia você quase caiu lá dentro…”

As palavras da mãe traziam medo e excitação.

– Mas então, onde esta este rio agora?

Não via rio nenhum ali. A avenida era uma das mais modernas da cidade. 1970. Não passavam muitos carros, à noite podíamos andar tranquilamente, ir e vir, sem medo, sem perigo. E nada de saber do rio. O rio existia apenas na idéia da sua retirada. Era incômoda a sensação do rio não existir mais, perdi os mergulhos, perdi as pescarias, perdi o fluxo.

Em dia de chuva forte, vinha o rio à tona, sem avisar, invadia a rua pelos bueiros. O rio era pra mim uma água lamacenta que cobria as ruas por alguns minutos, logo após, desaparecia, intrigando e jogando suspeitas sobre sua real existência. De alguma maneira dava o ar da graça. E a idéia do rio descia fundo, era um dos segredos da infância. As sobras do rio ficavam por todo lado em camadas de barro vermelho. Matutava horas para entender como um rio sumia e pra onde ele tinha ido. O rio era a chuva, a estiagem levava o rio embora.

Aos poucos fui percebendo que a cidade escondia seus rios, seus pequenos córregos, seus bracinhos d”água, o seco asfalto foi sufocando tudo. Andávamos sobre a água oculta e do rio não restara quase nada. O rio era o lugar em que eu quase caíra. A idéia. Assistia aos filmes e os rios grandiosos davam inveja, não lembro os títulos dos filmes, mas a imagem de caudalosos e extensos rios impressionava. A cidade me apartou dos rios.

Ninguém nunca conseguiu me explicar por que haviam escondido o rio. Pela própria natureza da pergunta e provavelmente por não terem resposta. Pai. mãe, irmãos, tios e amigos mudavam de assunto quando inquiridos. Rio sem respostas, rio sem imagem, rio que vinha e ia embora com as enchentes. Rio sem margem. Não posso dizer que tenho saudade do rio, mas mesmo um rio escondido tem um fluxo que nínguem interrompe. A idéia e a indagação persistem.

Anúncios
2 comentários
  1. Stefano disse:

    Na verdade uma verdadeira transformação. A cidade esconde os rios. Depois a cidade vira um rio.

  2. Eli disse:

    E continuamos a esconder rios…

    Sorte que existem pessoas sensíveis como você para nos contar desses rios. Um dia, quem sabe, aprenderemos a valorizar os rios e fazer as cidades os respeitarem. Assim, você vai usar suas belas palavras para nos convidar a passear à beira de algum.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: