Londres não estava na pauta.


“Custa dinheiro para cuidar. Mas também custa dinheiro para limpar motins, selvageria e comportamento anti-social.”

Camila Batmanghelidjh, fundadora da ONG “The Place To Be e Kids Company” (que atua nas ruas de Londres)

Demonizem a política, esvaziem-na com a retórica falso moralista, resultado: caos na polis. Londres, Manchester, Birmingham estão aí para provar. O que se passa na Inglaterra é muito diverso para que usemos nossos olhares viciados. Há dois caminhos, ambos preguiçosos, que são escolhidos automaticamente para “interpretar” os conflitos nas cidades inglesas.

De um lado reduz-se a questão à leitura policialesca e repressora. Imigrantes ingratos, bandidos com pré disposição para saques e baderna? Por outro lado a romantização dos ocorridos que denunciam uma voz calada e reprimida que se insurgiu contra a exclusão.

Como disse, são reducionistas, não deixam de conter verdades, mas não dão conta do todo.

A despolitização e total falta de foco são inegáveis. As ruas têm regras próprias e difíceis de decodificar ao longe e com ferramentas inadequadas. O jornalismo adere a grita conservadora e vira reprodutor das falas oficiais com breves mudanças.

As tentativas de isolar o fenômeno inglês dos demais protestos que ocorreram em outros países recentemente só denotam uma necessidade de desviar o foco principal: insatisfação.

Insatisfações diversas, evidente, têm origens diversas e ramificações, pontos que as unem e pormenores que a afastam. A contestação aos regimes “autoritários” no Oriente Médio é o foco das revoltas de rua no Egito, Síria, Líbia e motiva o apoio aos insurgentes por parte da ONU e dos países “democráticos”.

O que querem os revoltosos das ruas de Londres? Qual o apoio interno e externo que o heterogêneo governo inglês necessita para “vencer” este furor? Quais os motivos de origem: roubar DVDs, tênis, gadgets, tomar o poder, democracia?

Como vamos separá-los e tratá-los de forma desigual, se o que se professa há mais de século é que os fundamentos econômicos servem para o mundo todo.

Remédio para os males todos, a pauta neoliberal é usada sem contrapontos para “sanear” a economia de todos os países do mundo. Como justificar esta ortodoxia econômica, sem empobrecer a análise das questões sociais e políticas?

O resultado você lê em jornais diários e assiste nos noticiários de TV. Olhares monolíticos.

O que salta aos olhos foi a surpresa que causou o fato dos amotinados roubarem lojas e saírem rindo com vulgares materiais de consumo. O consumo é um dos elementos que organizam a polis hoje. Parece até redundância.

Os espaços comuns de convivência há muito e em varias cidades do mundo são os shoppings centers, ou qualquer outro nome que se dê em cada lugar para espaços onde o consumo é o fio condutor.

Aqui onde vivo (exemplo que vejo de perto), uma cidade relativamente organizada e com recursos, mínguam os espaços públicos. Muitos estão sucateados e não atraem, outros apesar de “revitalizados” (palavra estranha, pois indica que algo estava morto e reviveu) são ignorados e não frequentados.

O que são os espaços públicos no restante do mundo? São diferentes?

As cidades se organizam e se encontram nos locais de consumo. Como tirar o consumo do centro de um conflito? No caso ele se apresenta através da expropriação, roubo ou do termo que melhor convém a quem o defende.

Não é justificativa, é quase uma relação causal.

A criminalização dos revoltosos e o remédio usado e ensaiado desde o início pelos apressados, prometida e cumprida pelo Primeiro Ministro, Cameron, e desejada pelos censores de sofá:

“Bater, antes de perguntar e cortar liberdades de quem não sabe usar”.

“Barrar as redes sociais”.

A pauta esta pronta desde o início. Como a redução de gastos públicos na Grécia, a cadeia para quem pilhou, é a “fórmula certa”.

Homens, mulheres e crianças vão e vem na cidade, a mobilidade dificultada pelo medo e pelas distâncias cheia de obstáculos (excessos de carros, transporte caro e insuficiente, etc.) confina as pessoas em espaços cada vez menores. Estacionamentos em áreas nobres ou comerciais são mais extensos que centenas de moradias aglomeradas.

A oportunidade de viver em grupo, muitas vezes não o é por opção e por pura falta de espaço. As ruas vão ficando pequenas e sufocadas. As casas tristes.

Qual o espaço da política nessa refrega? Onde ela entra nas comunidades?

Os movimentos sociais, apartidários por questão de principio, disputam com o cinismo do consumismo um espaço dentro do imaginário das pessoas em geral. Relação desigual e excludente. A política sempre entra pela porta dos fundos e como gafe.

Fazer política é trabalhoso e complexo. A referência que se vende da política, em parte pela ação de picaretas e pela amplificação das mesmas na mídia, é a de lugar de oportunistas e desonestos. O mais fácil não seria pular as agruras da política e ir direto para ações oportunistas e desonestas?

A generalização de um pensamento gera consequências. Despolitização. O cinismo tem um preço muito alto.

Onde começa isso?

Não é fácil tomar partido quando ambos os lados são pontiagudos.





Anúncios
3 comentários
  1. marinildac disse:

    Maravilha, Ricardo! É uma contradiçao permanente! Tem que economizar pra ficar bem com os neoliberais e o FMI e os bancos centrais, mas se economizar corta, claro, no social, e aí fica mal com o povao, que vai pra rua e quebra a vitrine de luxo pra roubar a TV e o tênis de luxo, onde já se viu? Mas nao é isso que a propaganda prega, que vc é alguém se tiver tênis e TV de luxo? O cara deseducado, obliterado, invisibilizado e vulnerado vai querer o quê? Pao mofado? Ah, cansei.

    E essa questao do espaço público é crucial, lia muito sobre isso quando estava na Radis. O Estado perdeu poder sobre o espaço público, agora dominado pelo privado. Que sinuca!

  2. Creio que esta anarquia total não é o melhor caminho, uma vez que os anarquistas estão criando mais inimigos do que deveriam ou você acha que os comerciantes estão glorificando eles? Mas de quem é a culpa realmente? Fim ao estado de mal-estar social.

  3. Mas o espaço público importa a muito poucos (principalmente discutí-lo, reinveintá-lo)
    as pessoas vão se empuleirando, quando tem um puleiro ou se jogam nas ruas sem direito, nem guarida…

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: