No dia e na filosofia do samba


Pra cantar samba
Não preciso de razão
Pois a razão
Está sempre com os dois lados

Candeia

O negócio é falar de samba no dia do samba?

Dia do samba, o dia em que Ary conheceu a Bahia. Esta é uma das histórias.

Tomei a liberdade de falar do samba e com os seus heróis e falei antes do tal dia (nem lembrava do dia) : http://klaxonsbc.com/2011/11/29/samba-presta-esta-homenagem/ para adiantar que o samba dispõe de uma história que supera o dia que deram para ele.  O samba segue samba com sangue negro, branco e mestiço, nobre origem da mil vidas e mil faces. Ele muda pra driblar. Samba que alegra, samba que entristece, pois é triste sua origem. Deixa falar.  Pra falar de samba, tocar o samba, não precisa de razão.

O samba tem escopo, apoio e filosofia. Mora na filosofia. É bom que o samba siga apenas como escravo dos seus gozos. E não é por falta de filosofia que o samba vai perecer. Nem que seja aquela filosofia lá do quintal. E o samba apresenta suas odes filosóficas. Em homenagem ao samba. Dos bambas filósofos que cantaram e defenderam o samba. Lembrando que nínguem é dono da verdade do samba e ele não carece de catedráticos, nem de autoridades pra falar por ele.

De Noel, de Monsueto, Candeia, do Mussum, Adoniran…e daqueles com nome qualquer..

Anúncios
1 comentário
  1. Ricardo,

    Samba não pode ser lembrado apenas nos dias de “festas”, ele vive todos os dias no nosso sangue, mais uma aula,

    Abraços

    Arnobio

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: