“Uma mudança de vagão”


Ontem a noite o frio cortava fino. Há tempos não tinha essa sensação. Frio cortando o rosto, desprotegendo, natureza nos invadindo, nos compelindo à proteção.

Entrei no trem na Estação Tamanduateí. Vento encanado na plataforma, mais frio. Na contramão, quase me atropelando, passou um fiozinho de gente, um menino de uns 12 anos. Camisetinha puída e jeans velho, uma caixinha de chocolate aerado na mão pra vender nos vagões.

Ele corria da guarda ferroviária, corria pra entrar no outro vagão, corria da vida. Frio, e eu, com minhas malhas e jaquetas preparadas. Frio.

Para nós, na maioria das vezes, o frio é apenas uma mudança de ventos e umidade que incomodam. Para aquele menino o frio era a urgência da mudança de vagão.

IMG_9325

 

Anúncios
1 comentário
  1. arnobiorocha disse:

    Ricardo,

    Só nós que não mudamos de vagão, tocamos a vida insensíveis aos rostos invisíveis, como se não nos dissesse respeito. Teu post é uma PORRADA,

    Abraços,

    Arnobio

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: